Tirada em Bilbao, usando um filme Provia.

Rotor Rotulaciones

Rotor Rotulaciones

Paraty, inesquecível, sempre. Tirada com a Canon 5D + 24-105L.

Maré em Paraty

Maré em Paraty

Bebel, na casa do “primo” Matheus. Foto tirada com a Oly.

Sob as luzes de Natal

Sob as luzes de Natal

Nathan, irmão da Letícia (foto do post anterior). Usei um dos meus filmes favoritos, o Kodak Portra 160 VC, Lente 24-105L.

Nathan

Nathan

Minha sobrinha Letícia. Essa foto já tem pouco mais de dois anos.

Letícia

Letícia

Porto de Portugalete, em Bilbao, às 21h. Foto tirada com um filme Velvia.

Portugalete

Portugalete

Digital, Canon XSi + 24-105L.

Nuvem

Nuvem

Tirada com a Oly, em um dos parques da Disney.

Dois senhores

Dois senhores

Caracterizada para a festa de Halloween do curso de inglês. Tirada com a Canon 5D + 24-105L.

Vamp Bel

Vamp Bel

Meus três amores, em uma foto. Foto tirada com a Oly.

3

Três

Meu sobrinho e a namorada. Tirada com a Oly.

Casal

Casal

É só o que vemos nas bancas. Tirada com a Oly.

Kilos

Kilos

Filme, convertido para P&B.

Abstrato #2

Abstrato #2

Tirada com a Canon XSi e a 24-105L. Carnaval de 2009.

Pôr do Sol em Paraty

É abstrato, não é pra entender.

Abstrato #1

Abstrato #1

Soneto XVIII

Se te comparo a um dia de verão
És por certo mais belo e mais ameno
O vento espalha as folhas pelo chão
E o tempo do verão é bem pequeno.
Às vezes brilha o Sol em demasia
Outras vezes desmaia com frieza;
O que é belo declina num só dia,
Na eterna mutação da natureza.
Mas em ti o verão será eterno,
E a beleza que tens não perderás;
Nem chegarás da morte ao triste inverno:
Nestas linhas com o tempo crescerás.
E enquanto nesta terra houver um ser,
Meus versos vivos te farão viver.

William Shakespeare, trad. Bárbara Heliodora

Soneto XVIII

Luisa, minha sobrinha. Usei um TMax 400. A lente, infelizmente, não faz justiça à foto.

Luisa

Luisa

Usando filme TMax 400, com a 28-90mm da Canon (aquela que distorce até a antimatéria). A foto foi tirada do cemitério de Inhaúma, de onde fui corrido por um segurança por conta de babaquice de não poder tirar foto em cemitério – só aqui no Brasil mesmo. Deve ser por causa da péssima conservação do lugar, onde vemos túmulos violados, ossos aparecendo… coisa de 5º mundo. Deveriam ir rapidinho em Buenos Aires e ver o cemitério da Recoleta pra ver se tomam vergonha na cara.

Três rosas

Três rosas

Não sei por que eu ainda não tinha postado aqui essa foto. É o tipo de foto toda errada que eu adoro. Tirada num dos meus rolos de Ilford XP2 vencidão.

Gabi

Gabi

Foto tirada com a Oly.

Bel

Não é pra fazer sentido

TriX, puxado para 800.

Folhas no chão

Folhas no chão

Um abraço é uma casa.

Bebel com o primo Gustavo. Essa foto já tem uns dois anos, acho. Tirada com a 50mm f1.8 da Canon, filme TriX puxado para 800. Essa fiz questão de ampliar no processo analógico.

Abraço

Abraço

Esta foto tirada há uns dois anos. É uma daquelas que ficam me atormentando… gosto, não sei por que, mas tenho consciência de que não há nada de especial nela. Ou tem?

Ela não está focada, mas a foto é sobre ela, a menina. É simples, com um quê de sensualidade. Só a rua é perene. O resto, é tudo fugaz… sua vida, seus pensamentos e sua juventude, contida ali naquelas meias 3/4.

3/4

3/4

Queria estar lá novamente… Praia de São Gonçalo, em Paraty. Digital, com a 5D + 24-105L.

Praia de São Gonçalo

Eu queria!

Exemplo de uma cozinha colonial, na fazenda Murycana, em Paraty. Tirada com a Canon 5D + 24-105L.

Cozinha colonial

Cozinha colonial

Já tá parecendo paranóia…

Gato na rua

Gatos! Gatos!

Tirada em uma vila, no Grajaú. Digital.

VIII

VIII

Perto do trabalho, usando a Oly.

Gato na vidraçaria

Na vidraçaria

Mais uma centrada em janelas. Já disse que gosto de janelas, não é? Tirada em Paraty, com a Oly. Até rimou.

Bebidas na janela

Bebidas na janela

Amo janelas. Amo portas. Freud explica. Tirada em Paraty, com a 5D + 24-105L.

Samambaias atrás da janela

Tirada na praia de São Gonçalo, em Paraty, com a 5D + 24-105. Eram dois garotos, que pegaram o barquinho para sair de um ponto da praia para outro.

Barco ao pôr do Sol

Outro pôr de sol

Esta foto foi tirada em uma fazenda de Paraty, a Murycana. É uma espécie de fazenda-museu, que hoje é engenho de aguardente, mas foi no passado casa de farinha e cafezal. Serve ao propósito de mostrar como era uma fazenda antigamente; a casa grande (onde foi tirada essa foto, mais precisamente no que seria o quarto principal) dá uma idéia de como era a vida na época. Infelizmente, no geral, a fazenda é mal conservada. Foto tirada com a Canon 5D, usando a 35mm.

Imagens

Imagens

Eu sou fascinado pela fachada dessa casa, pois essa bagunça toda me parece muito bela. Curiosamente, hoje mesmo passei em frente a ela e praticamente tudo foi ajeitado: retiraram as plantas, a caixa de correio está corretamente colocada; o local está bem mais apresentável, embora tenha perdido, creio, aquela magia. Foto tirada com a Oly.

Portão do caos

Portão do caos

Eu sempre gostei de gatos, embora só tenha tido uns em casa em tempo de infância. São extremamente graciosos e independentes. Notei recentemente que tenho várias fotos de gatos, porque é irresistível fotografá-los. Estava a caminho do trabalho quando vi esse gato na janela; quando saquei a câmera, ele fez essa pose e logo depois saltou. Foto tirada com a Oly.

Bônus: a bandeira do mengão.

Endireitando

Passeando pelo centro histórico de Paraty à noite, vimos essa cadela à porta de um restaurante, esperando pacientemente que alguém lhe desse algo para comer. Teve um fotógrafo ali que ficou tirando várias fotos dela também e ficou me atrapalhando, ainda que involuntariamente. Usei a Oly. Não está um primor de nitidez, como eu gosto, mas as condições de luz eram adversas.

Esperando a ceia

Esperando a ceia

Tirada em Paraty, com a lente 24-105, digital. Não pude deixar de notar este girassol enquanto passeava pelo centro histórico da cidade. Recortei essa imagem no (para mim) incomum formato 4×5.

Girassol no banco

Girassol sobre o banco

Gabriela, à esquerda, e Isabel, à direita. Elas amam brincar, é sempre gostoso vê-las juntas. Essa foto foi tirada na festa de aniversário da Gabi, com a Canon, usando a 35mm. Digital.

Primas

Primas

Foto da Pietra, que tirei depois de chegar do trabalho. É muito difícil tirar foto de um animal em situação de pouca luz, porque essas pestes não param quietas. A foto não está nítida como eu gostaria, mas a expressão valeu, especialmente pela lambida no nariz. Tirada com a Oly; repare que não me preocupei muito com a suavização de ruído, porque não acho que tenha influenciado negativamente na foto.

Pietra

Olhões pidões

Meu sobrinho, Pedro, que é uma fofura de garoto… ele quis porque quis comprar esse óculos de natação, vai entender. Tirada com a Oly.

Meu óculos é DEMAIS

Meus óculos são DEMAIS

Não precisa de palavras. Tirada com a Oly, perto da casa da minha irmã.

1313 :P

1313 :P